Funcionário da Verizon acusado de vender informações sigilosas

A Verizon processou um dos seus funcionários por vender informações sigilosas de clientes e este foi formalmente acusado pela justiça.

Foi o site ars technica quem deu as primeiras informações sobre este caso. Um funcionário da Verizon, de nome Daniel Eugene Traeger, foi formalmente acusado por ter vendido dados secretos de clientes da empresa. Durante cinco anos o empregado da gigante Verizon conseguiu levar em diante com sucesso os seus atos criminosos.

A venda de informações sigilosas por parte de Traeger aconteceram entre 2009 e 2014, sendo que só nesse ano foi finalmente descoberto o que estava a acontecer. O funcionário da Verizon foi apanhado em flagrante delito por um detetive, que fingiu ser um interessado na obtenção de alguns desses dados sigilosos de clientes da companhia. Na armadilha, o agente policial pretendia comprar registos de chamadas e dados sobre a localização de certas linhas.

O mais estranho neste caso é que o criminoso não ganhava muito dinheiro com estas vendas. Traeger começou a vender esses dados sigilosos por apenas 50 dólares e, em 2013, já os vendia por 750, mas mesmo assim eram montantes inferiores à real valia das informações. No total da sua carreira criminosa na Verizon, este funcionário conseguiu ganhar apenas cerca de 10 mil dólares, o que num período longo de cinco anos é muito pouco. Os ganhos não valiam manifestamente os riscos que corria, mas mesmo assim o empregado da Verizon continuou a praticar os seus atos pouco louváveis.

Ainda não se sabe quantos clientes da empresa foram afetados por estas fugas de informações que deveríam ser secretas. Também nada se sabe sobre o detetive que obteve provas diretas da má conduta de Traeger. Provavelmente, a Verizon pediu que todo este caso fosse tratado rapidamente e sem muito alarido, para não preocupar os clientes que não foram afetados.

Imagem: ITForum 365


Também poderão gostar


Comentar