Google e Apple contra Trump por causa dos muçulmanos

O próximo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quer que as gigantes da tecnologia identifiquem os muçulmanos nas suas bases de dados, mas a Google e a Apple não querem fazer isso.

São já muitas as empresas que estão contra Donald Trump na sua ideia de identificar os muçulmanos nas suas bases de dados. A Google e a Apple já rejeitaram a proposta do republicano, juntando-se a uma lista crescente que também conta com o WordPress e a Uber.

A Apple, num comunicado oficial claramente anti-Trump, afirmou que “todas as pessoas devem ser tratadas da mesma forma, independente de sua fé, aparência ou de quem elas amam”. No entanto, acrescentou que não recebeu nenhum pedido oficial por parte de Donald Trump, o que significa que o magnata deixou a ideia no ar mas não teve coragem para efetuar os pedidos às gigantes.

A Uber também já se pronunciou sobre o assunto, ao site Buzzfeed. Ao ser questionada por esse site sobre se estaria disposta a identificar os muçulmanos, a empresa disse pura e simplesmente “não”. As redes sociais estão igualmente do lado da Uber, Google e Apple. O Facebook e o Twitter já disseram que não farão isso.

Mas ainda há mais. A Microsoft também rejeitou a proposta que permanece teórica, dado que Trump não oficializou o pedido. A empresa fundada por Bill Gates afirmou que é contra a discriminação. WordPress, Medium e Lyft também estão na equipa anti-discriminação de muçulmanos.

Destaque para a Oracle, que preferiu não comentar, deixando no ar algumas dúvidas sobre se aceita ou rejeita as ideias pouco convencionais de Donald Trump.

Imagem: Me Explica?


Também poderão gostar