União Europeia acusa Facebook de mentir na compra do WhatsApp

Depois de um caso amargo com a Google, a União Europeia enfrenta agora problemas com o Facebook.

A Comissão Europeia acusou o Facebook de mentir no processo de compra do WhatsApp. Em causa estão supostos dados incorretos e informações falsas por parte da rede social. A organização europeia acusa a empresa de Zuckerberg de mentir na alegação de que a rede social seria incapaz de automatizar a combinação de dados de contas utilizadas no WhatsApp e no site do Facebook.

A mulher que chefia a pasta das políticas de concorrência da União Europeia, Margrethe Vestager, já disse que “as empresas são obrigadas a dar informações corretas e precisas à Comissão Europeia durante os processos de fusão”. Esta acusação poderá sair cara ao Facebook: a possível multa chega a 1% do volume de negócios da rede social, caso esta não consiga vencer o processo ou caso este não seja arquivado.

A investigação da Comissão Europeia sobre esta fusão descobriu que a mesma já poderia ter sido realizada em 2014, ano da compra do WhatsApp pelo Facebook. Mas, ao que parece, a rede social demorou muito a efetuar a fusão e mentiu quando afirmou à União Europeia de que era impossível realizá-la mais cedo. E é aqui que se encontra a raíz do problema, que deixa a rede social ficar muito mal aos olhos da coligação de nações europeia.

Mark Zuckerberg e os seus colaboradores terão até ao dia 31 de janeiro de 2017 a oportunidade para se defenderem destas acusações e avançarem com explicações. A rede social já emitiu um comunicado oficial onde diz o seguinte: “Respeitamos os processos da Comissão Europeia e estamos confiantes que uma reavaliação completa dos fatos vai confirmar que o Facebook agiu de boa fé”. Vamos ver se essa reavaliação confirma a confiança da empresa dona do WhatsApp.

Imagem: Jornal Cruzeiro do Vale


Também poderão gostar